A Ideologia deturpa nossa visão sobre a realidade?

C

Essa é uma reflexão polêmica.

Sou do tipo de pessoa que está sempre brigando consigo mesmo. Antes de opinar faço uma longa e demorada reflexão sobre tudo e ás vezes fico dias refletindo sem chegar a uma conclusão.

Quando cheguei aos 40 anos, vivi uma crise e questionei muito a minha vida até ali. Depois de um bom tempo, percebi que, de certa forma, minhas ideologias deturpavam minha visão sobre a realidade e desde lá venho tentando corrigir isso, o que confesso, não é nada fácil.

…é comum recebermos mais de uma versão sobre o mesmo fato, atualmente, com a internet, recebemos dezenas de versões sobre os fatos, todas ricamente filtradas pela ideologia de quem às difundem, criando uma grande onda de confusões onde a primeira vítima é a verdade.

Porque resolvi abordar este assunto? Porque percebo, nos saudáveis debates que o país está fazendo, após as manifestações populares, que a população é bombardeada com uma série de versões sobre os acontecimentos e se, costumeiramente, é comum recebermos mais de uma versão sobre o mesmo fato, atualmente, com a internet, recebemos dezenas de versões sobre os fatos, todas ricamente filtradas pela ideologia de quem às difundem, criando uma grande onda de confusões onde a primeira vítima é a verdade.

O período em que atuei na Fundação Thiago de Moraes Gonzaga foi bastante depurador para minha alma, pois a ideologia das pessoas não as impedia de lutar, unidas, pelo objetivo maior, a Vida, e essa entendimento só era quebrado por àqueles que não conseguiam se libertar de seus preconceitos ideológicos, nos demais, a harmonia era plena.

Hoje, olhando para o passado, percebo que, tanto em mim, como em muitas pessoas a minha volta, as crenças ideológicas, tanto políticas, como religiosas, que atualmente andam cada vez mais juntas, agiram como geradoras de preconceitos e discriminação, e mais separaram do que uniram.

Lembro uma passagem de minha vida muito ilustrativa: Iniciei minha militância no MR8, uma organização de esquerda, hoje Partido da Pátria Livre e, certa vez, participei de um Congresso da UGES em Soledade. Naquela época, quem não era dos nossos era de “Direita”, eu me achava o suprassumo da esquerda, o resto era reacionário (Não tinha nem 18 anos nesta época), e marquei uma pessoa que compunha o grupo adversário.

O tempo passou! Ingressei no PDT e um dia na reunião da Juventude Socialista eu me deparo com essa pessoa. PQP esse “direitoso” aqui? Pensei eu. E já fui avisando: Deixa esse “direita” longe de mim!

O tempo tornou a passar: Conheci melhor esse cara, ele se tornou meu grande amigo, participou do núcleo “Che Guevara” comigo e é como um irmão.  Só posso contar essa história hoje, porque, não sei como, me dei a oportunidade de conhecê-lo, pois o julgamento que fazia dele era sem nenhum conhecimento. Nada sabia sobre ele e jamais havíamos trocado uma palavra sequer, e não consigo, até hoje, entender porque tinha tantas certezas sobre ele.

Hoje, procuro conhecer as pessoas, ouvi-las, antes de tirar conclusões; Não faço julgamentos pelas opiniões dos outros, procuro sempre escutar o que as pessoas têm a dizer sobre alguém, e só formo opinião após eu mesmo conhecê-la; Não aceito a primeira versão sobre nada…

Tirei muitas lições disto, e de tantos outros acontecimentos de minha vida. Hoje, procuro conhecer as pessoas, ouvi-las, antes de tirar conclusões; Não faço julgamentos pelas opiniões dos outros, procuro sempre escutar o que as pessoas têm a dizer sobre alguém, e só formo opinião após eu mesmo conhecê-la; Não aceito a primeira versão sobre nada, principalmente de quem esta diretamente envolvido, pois temos a tendência de ser parciais quando o assunto envolve a nós mesmos, conheci muito poucas pessoas com senso de autocrítica apurados.

Quando escuto opiniões, procuro me concentrar no conteúdo e não no acessório, que em suma quer dizer que independente de quem venha e da forma que venha, procuro ver se o que está sendo dito faz algum sentido, pois não somos a única forma de vida inteligente na terra, existe sabedoria nos outros também.

Procuro ser coerente em minhas atitudes e em minhas reflexões, algo muito difícil, é preciso registrar, pois, acabamos por amenizar, e até aceitar, coisas erradas vindas de pessoas de quem gostamos, ou por quem nutrimos simpatia. Por fim, tenho que admitir que a verdade não me pertence, e o que sei, é que nada sei, pois tudo que expresso, das formas mais diversas, passou antes pelo filtro das minhas ideologias.

Observação: Texto Originalmente publicado no Blog Testemunha Ocular em 22 de Julho de 2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *